Risco e tipos de investidores

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

A palavra risco origina do latim riscare que significa “correr em direção ao perigo”, ou seja, arriscar e ousar. O conceito pode ser explorado sob diversas perspetivas, mas neste artigo o foco é o risco financeiro enquanto fator primordial no comportamento dos investidores.

Risco é o grau de incerteza em relação à rentabilidade de um investimento. Logo, existe uma relação de causalidade entre rentabilidade e risco, cabendo ao investidor definir qual o grau de risco que está disposto a assumir em troca de um potencial lucro mais ou menos favorável. Potencial é sinónimo de incerteza quanto ao retorno.

O perfil do investidor pode ser dividido em três categorias: i) amante; ii) moderado; e, iii) averso. Nenhum dos perfis é permanente, pois o investidor altera o seu comportamento conforme o nível de “conforto” que reconhece no mercado.

O investidor amante do risco, tem uma apetência por investimentos de alto risco (associação ao potencial de lucro-causalidade); pois, este tipo de investidor prefere arriscar mesmo com a possibilidade de uma perda significativa versus um ganho superior ao do momento. A sua distribuição de ativos assume um peso superior de ações (ou instrumentos similares) face a obrigações, pois não receiam oscilações de mercado. O seu objetivo é rentabilidade. Já o investidor moderado procura equilibrar os seus investimentos através de poucas aplicações arrojadas; ie., assume alguns riscos, mas sem prescindir da sua segurança (pelo menos teórica). A sua distribuição de ativos é, habitualmente, equilibrada entre ações e/ou similares versus obrigações.

No caso do investidor conservador, este é totalmente averso ao risco. Esta assunção baseia-se na necessidade de segurança (ver pirâmide de Maslow). Logo, o habitual é que um investidor “júnior” assuma este comportamento e nunca abdique do que é seguro. Este investidor está menos disposto a correr riscos, mesmo significando que a sua rentabilidade será menor. Para este investidor, é preferível obter reduzida rentabilidade a arriscar sofrer prejuízo. A sua estratégia normativa é rentabilizar via aplicações de retorno contínuo baixo (ex, obrigações). Em suma, investe em instrumentos financeiros de risco nulo (ou pelo menos teórico).

A inexistência de risco de per si é uma falácia, pois qualquer investimento e/ou instrumento financeiro traduz algum nível de risco. A diferença reside na quantidade de risco que o investidor aceita incorrer.